Loading...

quarta-feira, 26 de maio de 2010

ESBAS!


Celebramos os Esbás, ou seja, as treze luas cheias ao longo do ano solar. A lua cheia foi venerada durante milênios por grupos de homens e mulheres, reunidos em bosques, montanhas ou clareiras, como a manifestação visível do princípio cósmico feminino, na forma das Deusas lunares.

É importante dizer que o objetivo principal dos Esbás é receber inspiração, sabedoria e discernimento diretamente da Deusa, para realizar rituais de cura e trabalhos mágicos para a prosperidade. A fase da Lua que todo praticante pagão celebra é o plenilúnio, que é justamente o primeiro dia da Lua Cheia e quando a Deusa está no máximo do seu poder.

Embora a Lua Cheia dure em média sete dias, o ideal é fazer seu ritual no dia exato da sua entrada, pois nos dias seguintes, ela na verdade começa a minguar. É possível celebrar também o Esbá um dia antes ou um dia depois, caso não seja possível celebrar no seu dia exato.

Essa é a fase de maior intensidade da Lua, em todos os aspectos, tanto para um lado como para o outro, pois toda essa energia é canalizada em você, então de nada adianta fazer um ritual para a cura, se estiver com raiva da doença, o resultado será o inverso do desejado. A intenção é a sua fé em ação.

A palavra Esbá ou Esbat parece derivar do verbo “esbattre”, francês arcaico, que significa "alegrar-se", pois essas celebrações, digamos assim, não são tão solenes como os Sabás, proporcionando além dos trabalhos mágicos, uma atmosfera alegre e mais descontraída.

Há quem prefira celebrar outras fases da Lua, além do plenilúnio. Em muitas tradições são celebradas também a chamada Lua Negra ou Lua Balsâmica, a fase de total escuridão da Lua.

A Lua Negra ou a Lua da Transmutação é a fase ideal para encararmos nossas sombras e desvendar os mistérios do nosso subconsciente, facilitando o acesso ao outro mundo, aos planos sutis e às profundezas da nossa alma.

Quando ocorre a segunda Lua Negra do mês, que corresponde aos três dias que antecede a Lua Nova, ela é chamada de Lua Violeta ou a Lua da Purificação. Fase ideal para meditação e para conexão com as Deusas do Destino. Sendo esse um fenômeno raro, aproveite a oportunidade para ritualizar e transmutar as energias estagnadas.

Lembre-se, ao mergulharmos na noite escura da transformação e desvendando as nossas sombras, estaremos nos renovando completamente. Pois é nela que reside o poder de criar, destruir, curar e regenerar todos os nossos ciclos naturais. Este é o verdadeiro equilíbrio da luz.

Podemos também, ter durante o mesmo mês, duas Luas Cheias. Quando isso ocorre, a segunda chama-se Lua Azul da Abundância, a famosa Blue Moon, cheia de energia e poder. E a Lua Cheia próxima dos Grandes Sabás, chama-se: Lua Rosa dos Desejos.

Já os eclipses solares ocorrem apenas durante a lua nova e os lunares durante a lua cheia, podendo ser parciais ou totais, conforme o seu grau. Magisticamente, um eclipse demarca a transição entre o claro e o escuro, a luz e as sombras. E quando um eclipse finaliza seu processo, simboliza a entrada de uma nova energia ou uma nova etapa em nossas vidas.
Durante os Esbás de Lua Cheia, reverenciamos toda a força vital criativa, geradora e sustentadora do universo, manifestada através da Grande Mãe, além de nos religarmos às forças ancestrais da natureza.

"Infinito caminho, que a cada etapa, mais belo se revela."

Rowena Arnehoy Seneween ®






TENHAM UMA BOA TARDE!!!

Nenhum comentário: